coloque aqui seu e-mail para seguir este blog

sábado, 15 de setembro de 2012




A atriz e o julgamento

14 de setembro de 20127
Li que a atriz Mayana Alves, uma morena com aragem de miss, que algum dia deve ter feito muito sucesso em alguma novela, ou talvez faça agora mesmo, pois li que essa atriz assiste ao julgamento do mensalão como se fosse filme de suspense.
Mayana não consegue despegar os grandes e amendoados olhos da tela azul da TV, e vibra a cada condenação, como se ganhasse um Kikito.
Sei que nem todos os brasileiros se sentem tão fascinados assim pelo julgamento quanto Mayana, mas todos os que conheço estão, como ela, torcendo pela condenação dos réus.
Muitos acreditam que a danação dos eventuais corruptos significará um marco para o país: será um sinal de que a nação não tolera mais a impunidade, e, daqui para frente, tudo será diferente.
Já eu aqui não acredito em nada disso.
Duvido que o Brasil vá avançar um palmo devido a esse julgamento, exatamente por causa do espírito que embala a morena Mayana e a maioria da população no acompanhamento dos votos dos juízes.
Porque o espírito que os move é um espírito de justiçamento, não de justiça.
Tome outro julgamento em outro país.
O do racista Breivik, que assassinou 77 pessoas na Noruega no ano passado.
Dificilmente qualquer gênero de corrupção será mais grave do que matar uma pessoa, quanto mais 77.
No entanto, os noruegueses não assistiram ao julgamento de Breivik “ torcendo” pela punição mais dura possível.
Certas pessoas “ do povo” que foram entrevistadas, assim como entrevistada foi a atriz Mayana, disseram apenas esperar que, durante o seu período na prisão, o assassino compreendesse como estava errado ao fazer o que fez.
E, depois da sentença de 21 anos de reclusão numa cela confortável e asseada, com TV a cores e banheiro limpo, nenhum norueguês reclamou da brandura da lei.
Nem os familiares das vítimas.
Breivik saiu da sala do tribunal empertigado e sorridente, arrogando- se vitorioso, lamentando não ter executado ainda mais gente.
Ainda assim, não houve, na Noruega, nenhuma manifestação de repúdio.
Confesso ter ficado um pouco chocado no início.
Era civilidade demais.
Depois refleti.
O norueguês confia no sistema.
O brasileiro suspeita do sistema.
Onde está o problema, neste caso? No brasileiro ou no sistema? O brasileiro confiaria mais se o sistema fosse melhor? Ou o sistema seria melhor se o brasileiro confiasse mais nele? Como tornar o brasileiro mais consciente e o sistema mais justo? Não sei.
Sei que nunca seremos noruegueses.
Nunca seremos tão civilizados.
Mas, olhando assim de longe para eles lá no alto, no lado de cima do Equador, penso que, pelo menos, poderíamos tentar.

David Coimbra

Um comentário:

  1. O David sempre tem um pensamento diferenciado. ele vê os acontecimentos de uma maneira particular. Discordo dele em dois pontos. O furto de 350 milhões pode ter matado, indiretamente, mais brasileiros do que os 77 noruegueses. O baixo nível de revolta do povo nórdico pode ter como causa menos civilidade e mais acomodamento.

    ResponderExcluir