coloque aqui seu e-mail para seguir este blog

sábado, 27 de outubro de 2012


blogue do zeca


Steve Jobs
    
   Acabei de ler a biografia de Steve Jobs, de Walter Isaacson. É um livro maçudo, muito detalhado, da vida de Jobs, desde sua adoção até sua morte.

    Não vou tentar reproduzir a vida de Steve Jobs aqui. A biografia dele é excelente. Apenas posso afirmar que, ninguém de sã consciência poderá dizer que não saiu diferente, para melhor, depois da leitura da vida de Jobs.

    Sua obseção pela excelência dos produtos, da ligação perfeita do desenho com a tecnologia, sua visão da ciência umbilicada com as humanidades, sua procura por este objetivo, muito além de  ambições materiais, faz com que se leia o livro de Isaacson sempre com um sentido de emoção, de crença em um mundo melhor, o mundo de Jobs.

    Vou apenas ressaltar uma faceta de Jobs que não é lembrada pela maioria de seus biógrafos. Jobs era hiperativo, ansioso para com o resultado de suas ideias, exigente e, geralmente, grosseiro, não só com seus concorrentes, mas com a equipe que o acompanhava, da qual exigia suor e sangue.

    Vou ressaltar o lado amoroso de Jobs que, abafado em sua carapaça, aflorava em momentos muito raros.  Na verdade, o que vou reproduzir, do livro de Isaacson, é apenas uma parte do amor que Jobs nutria por seus semelhantes, quando buscava o produto perfeito para eles.

    Quando Jobs e Powell fizeram 20 anos de casados, ele leu em voz alta o que tinha escrito para a ocasião:

Não sabíamos muito, um sobre o outro, há vinte anos. Fomos guiados por nossa intuição, você me deixou arrebatado de paixão. Nevava quando nos casamos no Ahwahnee . Passaram-se anos, vieram os filhos, bons tempos, tempos difíceis, mas nunca tempos ruins. Nosso amor e nosso respeito perduram e cresceram. Passamos por muita coisa juntos e aqui estamos de volta ao lugar onde começamos vinte anos atrás - mais velhos, mais sábios -, com rugas no rosto e no coração. Agora conhecemos boa parte das alegrias, dos sofrimentos, dos segredos e das maravilhas da vida, e ainda estamos juntos. Meus pés nunca voltaram a tocar no chão.

    

2 comentários: