coloque aqui seu e-mail para seguir este blog

domingo, 29 de abril de 2012


ESTOU ORGULHOSO DE MEU PAÍS. JÁ TEMOS O NOSSO AL CAPONE! ALIÁS, ELE É MUITO MAIS. É PARTE DA ESTRUTURA DE UMA CLEPTOCRACIA.

A GÊNESE DESSA SITUAÇÃO FOI A NECESSIDADE DO EXECUTIVO DE COOPTAR O LEGISLATIVO. NO GOVERNO FERNANDO HENRIQUE, O SUBORNO ERA FEITO COM CARGOS. NO GOVERNO LULA, A TÉCNICA FOI SIMPLIFICADA E O SUBORNO PASSOU A SER EM DINHEIRO MESMO. 

TORNOU-SE PARTE ESSENCIAL DA TOMADA DE PODER PELO PT. AGORA, ATÉ O PT FOI SUPLANTADO PELO LULISMO. VIVEMOS EM UMA JELÉIA GERAL. QUE VERGONHA!


DIZEM QUE A GUERRA É A EXTENSÃO DA  POLÍTICA. O QUE ESTAMOS VENDO É O CRIME SER A EXTENSÃO DA POLÍTICA

BRASÍLIA - O conjunto de gravações da Polícia Federal sobre as relações entre Demóstenes Torres (sem partido-GO) e o bicheiro Carlinhos Cachoeira mostram que em março de 2011 o senador tentou indicar uma pessoa ligada ao bicheiro, a pedido dele, para os quadros da Receita Federal. Esse era o período em que Demóstenes estava aprofundando seus laços com o braço internacional da quadrilha, mantendo contato e fechando negócios com o argentino Roberto Coppola, apontado pela PF como um "mega empresário argentino do caça-níqueis" e consultor de Cachoeira na Argentina e Uruguai.
Para tentar pôr um nome de Cachoeira na Receita, mesmo sendo um dos principais líderes da oposição, Demóstenes procurou o senador Francisco Dornelles (PP-RJ), ex-ministro da Fazenda e ex-secretário da Receita. O diálogo gravado pela PF mostra que Dornelles não aceitou ajudá-lo, frustrando a quadrilha:
- (Dornelles) diz que não tem nenhuma influência lá. Eu falei "mas e se houver, você apoia uma indicação?" Ele falou assim "o Fisco não recebe indicação política. Não recebe indicação política". Ou seja, o cara lá deve ser dele, mas ele não quis assumir - diz Demóstenes para Carlinhos.
Não satisfeito, Cachoeira faz uma lista de pedidos:
- É verdade.... O cara da Anvisa, você podia ligar pra ele pra mim... E o Pagot também... Vê essas duas coisas aí - pede o bicheiro.
Demóstenes também defendeu os interesses comerciais de Cachoeira fora da região Centro-Oeste. O senador se comprometeu a ir a Santa Catarina receber Coppola. O telefonema é de 17 de março de 2011. Cachoeira faz o pedido, sem cerimônia:
- O Roberto, o argentino, ele vai tá lá. Ele vai tá lá em Santa Catarina. Você podia receber ele lá um pouquinho pra mim. Sábado de manhã. Vê com ele pra mim.
- Vejo - diz Demóstenes.
Em outra gravação, feita em 13 de agosto, Cachoeira liga para Lenine Araújo de Souza, seu braço-direito. Lenine diz que está no restaurante Porcão em Brasília, com Coppola. Em seguida, Lenine repassa o telefone para o argentino, que, após cumprimentos protocolares, avisa que está acertado um negócio envolvendo Demóstenes:
- Escuta, o negócio do Demóstenes, ela (sic) está para o final do mês. Estou mandando.
- Ah, excelente. Ele perguntou ontem - afirma Cachoeira.
Em outra gravação, Cachoeira pede a um de seus funcionários para que usasse a suposta influência de uma aliada junto ao ex-premier italiano Silvio Berlusconi, para que Demóstenes fosse convidado a visitar a Itália e faturasse politicamente com a decisão do governo brasileiro de não extraditar Cesare Battisti.
Segundo a PF, Demóstenes foi usado pela quadrilha até para pedir que policiais envolvidos em grupos de extermínio fossem transferidos de um presídio em Mato Grosso para Goiás.


fonte: Agência O Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário