coloque aqui seu e-mail para seguir este blog

terça-feira, 24 de abril de 2012



blogue do zeca
Neste barco vou eu e meu cão. 
Eu estou nu e choro.O cão me 
consola com sua presença dura.


( O cão lamenta minhas chagas )
A onda que esconde o barco 
em seu colo – arco e acalanto – 
é como um pranto sem medida.


( Ou a medida vai dos pés aos olhos? )
Meu barco medido, cortado, repartido 
resvala na eternidade do mar, 
na eterna pausa entre onda e onda, 
na imediação redonda.


E aí, sob meus pés, o casco; 
o choro em mim continua, e no cão.

( de Camilo Rocha )


CAMILO ROCHA – Nasceu em Bagé, a 02 de julho de 1930, falecendo a 06 de setembro de 1958.
Foi redator do Correio do Sul.
Obras: "A Barca de Tarsis", poema edição póstuma, organizada por Ernesto Costa e Wilson Afonso Santos – Porto Alegre, 1961. Inéditas: A Vida Menor, poemas; Intermezzo Lírico e "Mecânica da Rosa.

À Marta Logercio, meus agradecimentos

Nenhum comentário:

Postar um comentário