coloque aqui seu e-mail para seguir este blog

terça-feira, 17 de abril de 2012



blogue do zeca


Solidariedade - s.f. Dependência mútua entre os homens.
Sentimento que leva os homens a se auxiliarem mutuamente.
Relação mútua entre coisas dependentes.
Direito Compromisso pelo qual as pessoas se obrigam umas pelas outras.


Segunda classe

Tanta gente morta, tanta gente viva que sofre, e tudo sem razão. Porque não há razão. Não há Justiça no mundo.

David Coimbra

A solidariedade é um sentimento de segunda classe. Num mundo ideal, a solidariedade seria sempre subalterna ao que realmente importa: a Justiça.

A Justiça.

É quase um deboche: tudo de sublime que o homem faz na vida o faz à procura da Justiça no mundo, e a Justiça no mundo não existe.

Todos os filósofos, Sócrates, Espinosa, Kant, Schopenhauer, Freud, todos eles, só o que fizeram foi trabalhar para descobrir como funciona a Justiça no mundo. Construíram catedrais de pensamento, e por meio delas explicaram o movimento das engrenagens de algo que é só ficção.

Um deles, Schopenhauer, alcançou a verdade: concluiu que o mundo é injusto. E é.

A religião resolveu a questão. Admite que durante a vida não há Justiça e promete que ela será feita depois da morte. Uma saída genial, porque ninguém até hoje conseguiu cobrar o não-cumprimento da promessa, embora também seja verdade que ninguém o confirmou.

O Schopenhauer das religiões é o budismo. Na sua essência, o budismo é realisticamente pessimista, conforma-se com o vazio e com a inação. Talvez esteja certo.

De qualquer forma, tanto o budismo quanto Schopenhauer tentam achar algum conforto na reflexão, e, ora, conforto não há.

A literatura também. Toda a literatura se estrutura na ideia ilógica de que a Justiça existe. Até atividades mais superficiais do intelecto humano, como o Jornalismo e o Direito, só o que fazem é a busca pela Justiça.

Um drama eterno da Civilização. E insolúvel. Porque o homem tenta – organiza-se em sociedades, formula leis, constrói filosofias, tem fé em deuses, conta a sua própria história, tece fabulações e poemas, monta sistemas de pensamento, o homem passa a sua existência neste Vale de Lágrimas acreditando que caminha na direção da Justiça, e então ocorre um cataclismo como o do Haiti, e pessoas morrem aos milhares e as que sobrevivem são mutiladas e crianças tornam-se órfãs sem que para isso haja qualquer motivo. Há quem diga que seja a reação da Natureza vilipendiada pelo homem. Bobagem. Há 250 anos a Revolução Industrial nem havia começado e Lisboa foi destruída por um terremoto não muito diferente do que assolou Porto Príncipe. Tragédias naturais acontecem desde sempre sem a necessidade da ajuda do homem.

Tanta gente morta, tanta gente viva que sofre, e tudo sem razão. Porque não há razão. Não há Justiça no mundo.

O que sobra? Aí está: a solidariedade.

A solidariedade, como o pensamento dos filósofos, a fé das religiões e as leis do Direito, a solidariedade é um consolo. Hoje, o mundo inteiro se move pela dor do Haiti. Não é uma solução, talvez seja bem pouco, quase nada, mas, num mundo sem Justiça, é o que há.

Fonte: Jornal “Zero Hora” nº. 16223, 22/1/2010.
Marcadores: David CoimbraTextoZero Hora

Nenhum comentário:

Postar um comentário